Páginas

quinta-feira, 16 de maio de 2013

São R$ 35 milhões do PAC para revitalizar o Centro Histórico de Manaus

Mais uma matéria para acompanharmos os valores e as decisões referentes ao PAC Cidades Históricas que será aplicado em Manaus, em obras no Centro Histórico.

************
D24
************





Prefeitura aplicará R$ 35 milhões do PAC para revitalizar o Centro Histórico

Em almoço com empresários da Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL-Manaus), o prefeito admitiu que cobrará as dívidas com o município para elevar a arrecadação.
[ i ]Declaração foi dada durante encontro na CDL-Manaus
Manaus - O Prefeito de Manaus, Arthur Neto, anunciou recursos de R$ 35 milhões para a recuperação do Centro Histórico, do aporte de R$ 765 milhões prometidos pela presidente Dilma Roussef para a capital. A verba integra o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC-Cidades Históricas).
Em almoço com empresários da Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL-Manaus), o prefeito admitiu que cobrará as dívidas com o município para elevar a arrecadação e descartou aumento de impostos.
A dívida ativa municipal é de R$ 4 bilhões. De acordo com o prefeito, a meta é recuperar pelo menos 50%. A maior parte é do Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISSQN).
“Estamos vendo em qualquer cantinho onde tenha um crédito da Prefeitura para maximizarmos a arrecadação cobrando as mesmas alíquotas e aumentando a eficiência do nosso sistema”, disse.
O prefeito detalhou que, do montante a ser repassado pelo governo federal, R$ 500 milhões serão para a recuperação da malha viária. Outros R$ 80 milhões serão usados para revitalização da Cachoeira Alta do Tarumã e o restante será para a realização das obras da Copa do Mundo de 2014, além dos R$ 35 milhões do Centro.
Planos para o Centro 
O projeto inclui a recuperação das praças Tenreiro Aranha, Matriz, Adalberto Valle e Remédios, além do Museu do Homem do Norte e o Cabaré Chinelo na área do Paço Municipal e a Biblioteca Municipal.
O Centro abriga em torno de 4 mil bancas de camelôs, informou o secretário Extraordinário para Requalificação do Centro, Rafael Assayag. Porém, apenas 2 mil pessoas têm permissão para atuar. “Os próprios camelôs pedem para que resolvamos a questão pois são eles que trabalham naquele ambiente insalubre”, destacou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário