Páginas

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

PROFETA GENTILEZA - PATRIMÔNIO AFETIVO

Hoje li essa notícia no Estadão e gostei muito dessa ideia! Propor uma nova categoria de patrimônio: PATRIMÔNIO AFETIVO. Isso faz sentido quando o nome vem em função do significado das coisas. E é o que a matéria vem citando. A proposta dessa nova categoria de patrimônio vem em decorrência do significado já explorado da força e da filosofia de um indivíduo que pregou o amor e a gentileza pelas ruas do Rio de Janeiro. A frase mais emblemática dele GENTILEZA GERA GENTILEZA, está presente em muitos souvenirs como chaveiros, quadros, canecas, relógios, bolsas, bonés, além de camisetas. 

Abaixo transcrevo a íntegra da matéria.



Profeta Gentileza pode se tornar 'patrimônio afetivo' no Rio

Artistas propõem nova categoria para instituto que preserva cultura carioca; é um tributo ao homem que escrevia nas pilastras

21 de novembro de 2012 | 2h 03


HELOISA ARUTH STURM / RIO - O Estado de S.Paulo
Talvez poucos conheçam José Datrino. Mas não há, no Rio, quem já não tenha ouvido falar, ao menos uma vez, no profeta Gentileza. Ele já foi tema de filme, livro, música. Agora, recebe homenagem da Companhia Crescer e Viver de Circo, que transformou sua história em show circense. Se "existe amor em São Paulo", no Rio o que estampa camisetas e adesivos é "Gentileza gera Gentileza".
Profeta Gentileza,  José Datrino, conhecido pela frase: "gentileza gera gentileza". - Divulgação
Divulgação
Profeta Gentileza, José Datrino, conhecido pela frase: "gentileza gera gentileza".
Passados mais de 15 anos de sua morte, a figura de túnica branca e longas barbas e cabelos continua no imaginário carioca. Para que não se perca, organizadores de Univvverrsso Gentileza querem que ele vire "patrimônio afetivo do Rio". Na pré-estreia do espetáculo, no início do mês, fizeram o pedido a Washington Fajardo, presidente do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade.
Fajardo disse que essa categoria de patrimônio ainda não consta na lei municipal e prometeu estudar o assunto. A peça mostra a trajetória do homem nascido em Cafelândia, interior paulista, que se mudou ainda jovem para o Rio e teve a vida transformada em 1961, após o incêndio criminoso no Gran Circus Norte-Americano, em Niterói, que deixou centenas de mortos. Datrino abandonou empresa, mulher e filhos e foi montar um jardim sobre cinzas do circo. Considerado louco por uns e poeta por outros, viveu anos como andarilho, fazendo pregações pela cidade, distribuindo flores e deixando mensagens de amor e solidariedade nas pilastras do Viaduto do Gasômetro, no centro do Rio. Apesar de o governo planejar a remodelação da área, com o fim da Perimetral, todas as pilastras com escritos serão preservadas.
Segundo um dos coordenadores da companhia circense, Vinícius Daumas, a ideia da montagem foi inspirada na leitura do livro UNIVVVERRSSO GENTILEZA, de Leonardo Guelman. "A gente hoje faz com o circo aquilo que ele fez durante muitos anos sozinho, tentando passar mensagem de gentileza, de amor. Parece um ciclo que se fecha, é a volta do profeta ao circo, mas não um circo queimado, e sim vivo", disse Daumas. Trata-se da segunda montagem da peça, encenada pela primeira vez em 2008.
Vida. No palco, 15 artistas fazem referência a esses e outros episódios do "profeta", como internação em hospitais psiquiátricos e restauro de seus escritos após a Companhia de Limpeza Urbana "limpar" o viaduto em 1997. Muitos dos jovens artistas são provenientes de comunidades carentes da capital e litoral fluminense que participam do Programa de Formação do Artista de Circo, da Crescer e Viver.


Nenhum comentário:

Postar um comentário